Salvador - 26 de abril de 2018
07 de Fevereiro de 2018 - 10:17

Folia: Rede hoteleira com quase 100% de ocupação

Cidade já está tomada pelos turistas e tem mais gente chegando; Carnaval de Salvador deve movimentar R$ 1,7 bilhão

Foto: Romildo de Jesus

Terceiro destino mais procurado no Brasil para passar o Carnaval, Salvador deve receber 770 mil turistas e movimentar R$ 1,7 bilhão na folia momesca deste ano. A estimativa é que os hotéis alcancem 98% de ocupação, chegando a 100% nos estabelecimentos próximos aos circuitos. A projeção é do Ministério do Turismo, que comemora o recorde na movimentação turística em todo o país: 10,69 milhões de viajantes brasileiros e 400 mil estrangeiros.  No réveillon, os hotéis da cidade ficaram lotados, atingindo os 100%. Foi a maior taxa de ocupação dos últimos 22 anos.

Segundo o Ministério do Turismo, 400 mil foliões do Carnaval soteropolitanos devem vir de cidades do interior e 300 mil de outros estados, como Rio de Janeiro, São Paulo e Pernambuco. Além dos brasileiros, 70 mil estrangeiros, sobretudo da Argentina, França, Chile, Alemanha e Uruguai deverão aportar na capital baiana. Durante a festa, os turistas nacionais chegam a gastar aproximadamente R$ 4,9 mil, enquanto os viajantes do exterior desembolsam, em média R$3,5 mil.

Hotelaria

Glicério Lemos, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis da Bahia (ABIH-BA), confirma a estimativa do Ministério e diz que o cenário pode até ser melhor. “Ano passado a gente alcançou 97.8%. E esse ano a gente pode alcançar isso ou mais. Vários hotéis da orla, no circuito do Carnaval, já estão lotados e outros mais próximos também. A procura está grande e existe a expectativa de confirmar até a 100%”, revelou.

Mas Lemos lembra que ainda há vagas em hotéis fora do circuito, como na Avenida Tancredo Neves, e que mesmo nas hospedagens lotadas, existe a possibilidade do hóspede desistir da vaga devido a alguma eventualidade e dar lugar a outro.

Glicério Lemos atribuiu a alta aos projetos realizados em parceria com a prefeitura, como as visitas à outras cidades e estados para divulgação de eventos e ampliar a atividade turística com foco na geração de emprego e renda, além do incentivo  ao turismo no interior do estado. ““Estamos tendo um crescimento de hóspedes no Carnaval, fruto desse trabalho que está se fazendo na cidade. Não chegaremos aos 100% de ocupação, como no réveillon, mas chegaremos aos 98%, que já é excelente”, afirmou.

A expectativa do presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (FeBHA), Silvio Pessoa, é manter, no estado, resultado semelhante aos anos anteriores. Para melhorar o trade turístico, ele propõe repensar o serviço de pacotes promocionais, com o objetivo de manter o turista na cidade por mais tempo. Atualmente, os dias com maior número de hospedagens é entre o sábado e a terça de Carnaval.

“Com a crise, quebramos os pacotes. Temos que tentar voltar a manter o turista pelo menos cinco dias na cidade. É uma lei de mercado, de oferta e demanda. Voltando a estabilizar a economia, precisamos repensar esses pacotes e o valor da diária, que são quase as mesmas de anos atrás”, relatou.

Melhorias

Para o ano de este ano, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis na Bahia (ABIH-BA) vai manter a mesma estratégia adotada em anos anteriores, com o intuito de ampliar a atividade turística com foco na geração de emprego e distribuição de renda.

Entre as ações estão a promoção de FAM Shows (reunindo operadores de viagens do Brasil e do exterior), realização do Fórum de Hotelaria e Turismo, e o acompanhamento das políticas públicas voltadas para o segmento, entre outras.

O presidente da Associação, Glicério Lemos, já chegou a reclamar do alto pagamento de impostos por parte dos hotéis e da “concorrência desleal” de aplicativos e sites que atuam no segmento de hospedagem. “Importante que os nossos deputados federais se posicionem sobre a regulamentação desse tema como já acontece em países da Europa”, disse Lemos.

A instituição também pretende manter os trabalhos para incentivar ainda mais o turismo no interior do estado, como acontece em Porto Seguro, Ilhéus e Chapada Diamantina, alguns dos principais destinos baianos que possuem boas médias de ocupações.

“Nossa ideia é chegar a mais dez cidades do interior esse ano, trabalhando em prol da hotelaria. Quantos mais pólos fortes, o turismo fica mais forte. Já temos algumas cidades consolidadas e queremos buscar mais ainda”, afirmou.

Fonte: Jornal Tribuna da Bahia

Deixe seu comentário
Equipe Responsável
Revistas