artigos

A Área do Comércio: uma vocação a ser resgatada.

  • 24 de agosto de 2016 - 16:33

João Quadros – Presidente do IMIC e Diretor da ACB

A nova dinâmica urbana instalada a partir da década de 60 e mais a implantação do Polo Petroquímico de Camaçari, na década de 70, levaram Salvador a assumir definitivamente o seu caráter de metrópole, determinando o surgimento de sub centros comerciais, sobretudo com o crescimento do setor de serviços.

Nesse período já se delineava uma silenciosa e crescente tendência de expansão nos vetores norte e nordeste da cidade a partir da região do Iguatemi e nítida decadência do bairro do Comércio, outrora tido como polo comercial e financeiro propulsor do desenvolvimento urbano. Desse processo resultou uma acentuada depreciação do valor urbano de toda a sua área, com forte degradação e deterioração da paisagem urbana, com a maioria dos seus imóveis abandonados e degradados.

No final dos anos 90, em consenso com segmentos empresariais e institucionais instalados na área, a Prefeitura Municipal do Salvador,em parceria com o Governo do Estado, iniciou um processo de revitalização do bairro, estabelecendo políticas de incentivo e atração de novos investimentos, visando sua reocupação. O setor privado respondeu de imediato aos apelos e vantagens oferecidos, sobretudo as faculdades. Ao longo de cinco anos de ações e iniciativas em torno do Projeto da Revitalização do Comércio, foram implantadas no local sete faculdades, 20 empresas de callcenters, cerca de 100 lojas, 50 restaurantes, 1.200 salas comerciais e a instalação de alguns órgãos públicos, gerando um salto sobre a média diária de público circulante de 70 para cerca de 140 mil pessoas na área.

A Área do Comércio engloba todos os requisitos exigidos pela ONU para a formação de um site integrado de convivência e turismo, nos moldes do que há de melhor implantado nas cidades históricas do mundo todo.

Nela está localizado além do Porto, o forte São Marcelo com uma arquitetura única no mundo, um Centro Náutico, a Capitania dos Portos, dois mercados tradicionais (o do Ouro e o Modelo), o Museu do Cacau, instalado num dos edifícios de vanguarda arquitetônica na época juntamente com a sede dos Correios e Telégrafos;uma das mais tradicionais igrejas da Bahia(a  Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia). Na Praça Visconde de Cairú fica um dos mais distintos ícones de Salvador: o Elevador Lacerda. A Área do Comércio conta com a vizinhança de uma extensa avenida do contorno que abriga uma belíssima marina (que tende a ser ampliada), além de restaurantes e edifícios de habitação inteiramente integrados à panorâmica deslumbrante da Baía de Todos os Santos, compondo sua natural sala de visitas.

Sedia também diversas empresas e órgãos públicos, dentre eles a Junta Comercial, a Alfândega do Porto de Salvador, a sede do INSS na Bahia, a sede dos bancos do Brasil e do Bradesco na Bahia, a sede do 2º Distrito Naval da Marinha do Brasil e o seu hospital, além do histórico edifícios sede da bicentenária Associação Comercial da Bahia que acaba de celebrar seus 205 anos,impávida na defesa dos interesses do empresariado baiano e da revitalização da Área do Comércio.

O cenário está montado, mas o teatro necessita de bons reparos para que possa descortinar a sua histórica vocação para a convivência e para o turismo. Os governos estaduais e municipais têm demonstrado sensibilidade para este novo convite. Acredito fortemente de que os outros setores cumprirão de pronto o roteiro do espetáculo.

Os artigos publicados são de inteira responsabilidade de seus autores.

Comentários

Equipe responsável

  • Maiara Chaves de Oliveira
    Secretária Executiva

    Maiza Almeida
    Secretária Executiva
  • www.acbahia.com.br
    presidencia@acbahia.com.br
    secretariadadiretoria@acbahia.com.br
    comissoestematicas@acbahia.com.br
    71 - 3242 4455
    71 - 99964 5725

Galeria de Fotos

  • Ops! Por hora não há galeria de fotos publicadas.
Outras Galerias

Vídeos

  • Ops! Por hora não há vídeos publicados.
Assistir todos