home

Emissão de gases de efeito estufa subiu 9% no Brasil em 2016

Foram lançadas na atmosfera 2,278 bilhões de toneladas brutas de gás carbônico equivalente (CO2e), contra 2,091 bilhões em 2015

  • 26 de outubro de 2017 - 11:14

 

As emissões de gases de efeito estufa no Brasil subiram 8,9% no ano passado – impulsionadas pelo aumento do desmatamento -, e chegaram ao seu maior nível desde 2008, mesmo em meio à crise econômica, que, via de regra, costuma implicar em queda de emissões. É também a maior elevação de um ano para o outro desde 2004.

Foram lançadas na atmosfera 2,278 bilhões de toneladas brutas de gás carbônico equivalente (CO2e), contra 2,091 bilhões em 2015. Os dados foram revelados pela 5ª edição do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (Seeg), do Observatório Clima, que foi lançada nesta quarta-feira, 25.

O aumento é o segundo consecutivo. Em 2015 as emissões já tinham sido 3,4% superiores às de 2014. Isso tudo em meio à recessão econômica. Em 2015 e 2016, a elevação acumulada das emissões foi de 12,3%, contra uma queda acumulada de 7,4 pontos no PIB. Segundo os organizadores do levantamento, o “Brasil é a única grande economia do mundo a aumentar a poluição sem gerar riqueza para sua sociedade”.

Mais uma vez, o corte de vegetação foi o principal responsável pela alta. O setor de mudança do uso da terra – que inclui desmatamento – respondeu por 51% do total das emissões nacionais e, sozinho, teve um aumento de 23%. Isso reflete a alta da perda da floresta amazônica, que tinha sido de 27% no período de agosto de 2015 a julho de 2016, na comparação com o ano anterior

Se não fosse essa alta, as emissões brasileiras teriam caído. Quando esse setor é excluído da conta, as emissões dos outros setores (agropecuária, energia, processos industriais e resíduos) apresentaram uma queda de 2,8% no ano passado, em um sinal direto da crise econômica.

Esse impacto é mais facilmente observado no setor de energia, que teve um recuo de 7,3%, e no setor de processos químicos industriais, que apresentou uma redução de 5,9%. Boa parte disso é por causa de diminuição da atividade da indústria e nas emissões de transporte. O ano passado, que teve uma situação melhor dos reservatórios das hidrelétricas, acabou não necessitando de termelétricas, que emitem CO2. Outra vantagem foi o aumento de 55% no uso de eólicas, em especial no Nordeste.

Fonte: Jornal Tribuna da Bahia.

Comentários

Equipe responsável

  • Maiara Chaves de Oliveira
    Secretária Executiva

    Maiza Almeida
    Secretária Executiva
  • www.acbahia.com.br
    presidencia@acbahia.com.br
    secretariadadiretoria@acbahia.com.br
    comissoestematicas@acbahia.com.br
    71 - 3242 4455
    71 - 99964 5725

Galeria de Fotos

  • Ops! Por hora não há galeria de fotos publicadas.
Outras Galerias

Vídeos

  • Ops! Por hora não há vídeos publicados.
Assistir todos