home

Um modelo para o turismo da Bahia

ACB OPINIÃO 349

  • 07 de março de 2019 - 15:44

Adary Oliveira – Presidente da ACB

O turismo tem-se revelado como uma atividade das mais promissoras para a Bahia e Salvador apresenta-se hoje como um grande polo turístico do país. O jeito de ser do seu povo e o ambiente erudito cultivado em todos os campos das artes é alicerçado por uma universidade que aperfeiçoa e enriquece os talentos nativos. Um centro histórico nacional insere-se em magnifica paisagem emoldurada pela bela Baía de Todos os Santos, formando um conjunto ímpar de elementos constitutivos dessa irrefutável vocação natural.

Essa diversidade cultural renderia mais para a Bahia e traria mais vigor para sua economia, gerando empregos, renda, tributos e riqueza, se fossem organizadas empresas locais que passassem a gerenciar melhor e de forma integrada as atividades turísticas. Essa falta pode ser notada quando assistimos a entrega do Aeroporto Luiz Eduardo Magalhães para ser administrado por uma empresa francesa. Nada contra o comparecimento dos franceses, mestres do turismo mundial, mas faz falta a presença de empresas locais no processo de licitação vencido pela Vinci. As companhias baianas que atuam no turismo, por certo, não deverão estar presentes no processo licitatório para escolha da entidade que irá administrar o Centro de Convenções Municipal, que está sendo construído pela Prefeitura de Salvador na área do antigo aeroclube.

Não se precisa ir muito longe para encontrar exemplos bem-sucedidos de empresas que surgiram por ação do poder público e foram paulatinamente transferidas para a iniciativa privada. O exemplo da Central de Matérias Primas do Polo Petroquímico de Camaçari (Cemap) que surgiu em 1971 como uma Sociedade Limitada, de razão social Petroquímica do Nordeste (Copene), 100% controlada pela Petroquisa, subsidiária da Petrobras, transformou-se em Sociedade Anônima e passou a receber aporte de capital das empresas que à sua jusante, na cadeia petroquímica, eram instaladas no Polo. Em 1980, quando a participação dessas empresas atingiu 47% do capital votante da Copene, foi criada a Norquisa, holding para onde migraram essas ações ordinárias. A compra de poucas ações no mercado de capitais deu à Norquisa o controle da antiga estatal. Esse movimento que surgiu do nada, mas de forma planejada, permitiu a criação da Braskem, hoje uma das maiores petroquímicas do mundo, com 41 fábricas espalhadas pela América Latina, Estados Unidos e Europa.

Outro exemplo foi o da criação da Central de Tratamento de Efluentes (Cetrel) pelo governo do Estado da Bahia. Ela começou a funcionar em 1978 sob a denominação de Cetrel S.A. Companhia de Proteção Ambiental. As empresas do Polo para terem seus efluentes industriais tratados pela Cetrel, antes de serem descartados através de um emissário submarino, passaram a adquirir participação no capital dessa firma nos sucessivos aumentos de capital, ocasião em que o Estado não exercia seu direito de preferência. Em pouco tempo a Cetrel transformou-se em empresa de controle privado sendo hoje a maior e mais eficiente entidade de proteção ambiental do país.

Modelo semelhante ao da Copene e da Cetrel, com os ajustes inerentes ao setor, poderia ser copiado pelas empresas da longa, diversificada e rica cadeia que explora o turismo na Bahia, na instituição de uma holding turística. Essa rede é formada por agências de viagens, administradoras de aeroportos, de estações rodoviárias, de estações marítimas, sociedades de aviação, navegação, transporte terrestre, hotéis, pousadas, bares, restaurantes, entretenimento, centros de convenções,  casas de espetáculos, fabricantes de souvenires e adereços, enfim, por todos aqueles que se dedicam de forma direta ou indireta à exploração do turismo.

Fica aqui uma ideia com o intuito de dar início a um debate capaz de originar uma corporação adequada para fortalecer o turismo, aperfeiçoar a atividade e maximizar os ganhos do negócio, unindo o poder público e a iniciativa privada numa coisa recheada pelo talento criativo dos baianos.

Comentários

Equipe responsável

  • Maiara Chaves de Oliveira
    Secretária Executiva

    Maiza Almeida
    Secretária Executiva
  • www.acbahia.com.br
    presidencia@acbahia.com.br
    secretariadadiretoria@acbahia.com.br
    comissoestematicas@acbahia.com.br
    71 - 3242 4455
    71 - 99964 5725

Galeria de Fotos

  • Ops! Por hora não há galeria de fotos publicadas.
Outras Galerias

Vídeos

  • Ops! Por hora não há vídeos publicados.
Assistir todos